Serviços   O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Notícia

Pavilhão de Mecânica do Campus JP recebe investimento de R$ 1 milhão

Campi

A reforma vai oferecer mais segurança, conforto e tranquilidade aos estudantes e professores.

Por Thiago Cavalcante
Publicado: April 12, 2021, 3:26 p.m.
Última modificação: April 12, 2021, 3:29 p.m.

Quando as aulas presenciais voltarem à normalidade no IFPB, após o período pandêmico, os professores, os estudantes e os servidores técnico-administrativos do Campus João Pessoa serão surpreendidos com as reformas realizadas nos espaços e estruturas físicas da área de Mecânica.

O pavilhão berço de um dos cursos técnicos mais antigos da instituição, localizado ao lado do campo de futebol, ocupando quase 2,5 mil m², vai receber, este ano, investimento na ordem de R$ 1 milhão oriundos de emendas parlamentares. A informação foi divulgada pelo reitor Nicácio Lopes, saldando compromisso assumido pela Reitoria perante a comunidade acadêmica em 2019.

Nicácio tem manifestado sua gratidão à bancada paraibana durante os eventos virtuais nos campi lembrando cada iniciativa parlamentar. “Os nossos parlamentares e as nossas parlamentares têm sido de uma generosidade incrível com o Instituto Federal da Paraíba. Mesmo em meio ao estado de calamidade pública provocado pela pandemia do coronavírus, nossa bancada não deixou de colaborar conosco destinando suas emendas”, enfatiza o gestor.

Para conquistar esse pleito para a unidade de João Pessoa, o Reitor relata: “Visitamos o campus, conversamos com os professores e constatamos a precariedade do espaço físico onde funcionam os cursos da área de Mecânica”. À época, nem o Campus e nem a Reitoria dispunham de recursos orçamentários para empreender reformas estruturais imediatas que pudessem por fim à situação na qual se encontrava o ambiente.

Professores da área de Mecânica e ícones que deram grande colaboração na modernização do ensino técnico profissionalizante no IFPB nos últimos 20 anos, a exemplo do saudoso Laurivan da Silva Diniz, serão lembrados, eternamente, pelo esforço e desejo de ver os cursos ministrados naquele pavilhão com melhores condições físicas. A gestão levou quase dois anos para captar os recursos e honrar o compromisso assumido.

Para o diretor-geral do Campus João Pessoa, professor Neilor César dos Santos, valeu a pena esperar por essa notícia alvissareira. “Pois dificilmente essa reforma seria executada com recursos orçamentários do Campus”, esclareceu o gestor, ao informar que o orçamento total do Campus para 2021 não passa de R$ 250 mil.

O momento de crise e de escassez de recursos públicos para investimento em infraestrutura colocam os gestores do campus em situação delicada no atendimento de outras demandas procedentes de setores internos que também carecem de investimentos. Se a espera foi compensadora para a os professores e estudantes de Mecânica, acredita-se que novos projetos também serão atendidos em tempo oportuno.

“Agradeço a atenção do professor Nicácio Lopes ao Campus João Pessoa e parabenizo-o pelo trabalho de articulação da bancada paraibana no Congresso Nacional visando à captação de recursos para atender necessidades específicas dos campi”, reconhece o diretor-geral Neilor, acrescentando: “o gesto do nosso Reitor não só motivou os profissionais da área de Mecânica, mas trouxe para todos nós a esperança de que a crise vai passar e que dias melhores virão”.

O trabalho de articulação do reitor Nicácio Lopes no âmbito do Congresso Nacional no ano passado recebeu atenção especial dos deputados Frei Anastácio (PT), R$ 2,8 milhões; Gervásio Maia (PSB), R$ 1,5 milhão; Ruy Carneiro (PSDB), R$ 1,1 milhão; Pedro Cunha Lima (PSDB), R$ 500 mil; Efraim Filho (DEM), R$ 500 mil; Edna Henrique (PSDB), R$ 300 mil; Aguinaldo Ribeiro (PP), R$ 300 mil; e Damião Feliciano (PDT), R$ 100 mil e dos senadores (as): Nilda Gondim (MDB) R$ 1,5 milhão; Veneziano (MDB), R$ 500 mil; e Daniella Ribeiro (PP), R$ 300 mil.

Nesta quinta-feira, dia 08, aconteceu uma reunião de trabalho dos gestores do Campus João Pessoa com a Diretoria de Gerenciamento e Fiscalização de Obras da Reitoria para estabelecer as prioridades da reforma. O diretor da DGFOE, engenheiro Vinicius Cabral de Melo Filho, disse que o projeto de reforma estrutural previsto para o Pavilhão de Mecânica vai alcançar todas as áreas internas e externas com correções que vão desde o piso até a estrutura do telhado.

Participaram do encontro os seguintes gestores: Neilor César (diretor-geral do Campus JP); Vinícius Cabral (diretor-geral da DGFOE); Carlos Eduardo (chefe do Departamento de Apoio à Administração); Francisco de França Neto (coordenador dos cursos técnicos integrados e subsequentes de Mecânica); Walter Fialho (coordenador do Curso de Engenharia Mecânica).

“Nós da Coordenação dos cursos técnicos integrados e subsequentes de Mecânica comemoramos com muita euforia o anúncio feito pelo Reitor. Estava todo mundo desanimado e incerto quanto ao futuro das reformas no Pavilhão”, revelou o coordenador e professor Francisco França que apontou, dentre as prioridades da reforma, a necessidade relacionada à ventilação do ambiente. “Aqui tem dia que vira um forno, incomodando professores e estudantes. Se as reformas possibilitarem a renovação e deslocamento do ar nos ambientes internos onde ficam o Centro de Usinagem, o CNC, a Fresagem e os Tornos, nossas aulas serão bem mais confortáveis”, ponderou o professor.

O coordenador do Curso de Engenharia Mecânica, professor Walter Fialho disse que a maior preocupação da grande área de Mecânica aponta para o quesito segurança. “Fios e cabos da rede elétrica acomodados em calhas no piso por onde passam os estudantes tornaram os ambientes de acesso aos laboratórios vulneráveis, oferecendo riscos iminentes para os estudantes”, define.

O professor Rafael Franklin, coordenador do Curso de Automação Industrial, não participou da reunião, pois estava ministrando aula, mas por telefone disse que sua maior preocupação é com a cobertura do pavilhão. “Trata-se de uma estrutura antiga e quando chove deixa-nos inseguros e apreensivos quanto aos vazamentos no telhado e até mesmo com relação a um possível desabamento da cobertura em função das calhas desgastadas pelo tempo”, declarou.

O assistente de laboratório Josieverton de Sousa Leite, lotado na Coordenação de Automação Industrial da UA3, acredita que o gotejamento no telhado e as infiltrações nas paredes dos laboratórios durante o período de chuva devem ser superados na iminente reforma. “Choveu, as paredes ficam umedecidas, apresentando mofo e tornando o ambiente insalubre”, destaca.

O professor aposentado João Jordão Sobrinho lembra que o pavilhão da área de Mecânica começou a ser construído no início dos anos 1960 na gestão do diretor Moacir Benvenutty, mas as obras só foram concluídas e impulsionadas na gestão do professor Itapuan Botto Targino. “Foi nessa época que a Instituição recebeu os tornos e máquinas de fresagem, fornecidos pela YMOH–HOMY”, resgata o professor Jordão, enfatizando o momento inicial de implantação do Curso Técnico de Mecânica pelo coordenador e professor Vicente de Paula Costa.

“Para cada momento histórico da Instituição podemos lembrar nomes que marcaram época”, afirmou o professor Itapuan Botto Targino, enaltecendo a liderança do professor Valentim Barbosa do Vale na construção do pavilhão de Mecânica, dentre outras obras de ampliação realizadas na antiga ETFPB, tendo como trabalhadores uma meia dúzia de pratas da casa que executavam as obras de construção civil da instituição.

As opiniões oferecidas nessa reportagem refletem os motivos que despertaram o reitor Nicácio Lopes e o diretor-geral Neilor Cesar, nessa causa, no final de 2019. Tal situação sensibilizou o reitor Nicácio que passou a fazer gestões no âmbito da bancada federal para a qual apresentou o projeto para restauração do espaço físico da grande área de Mecânica.

Desde 2014, a relação profissional entre a Reitoria e o Campus João Pessoa possibilitou outras melhorias em sala de aula, incluindo climatização, iluminação e acústica. Foi construída, nesse período, a Unidade Acadêmica de Gestão de Negócios com 16 novas salas e dois laboratórios. Setores administrativos também foram reformados. E as obras do Restaurante Estudantil que estavam paralisadas, desde a gestão anterior, foram reativadas e finalizadas.

O professor Nicácio exaltou o pioneirismo do ensino de Mecânica no IFPB e a modernização dos laboratórios da área de Mecânica. “É compromisso da nossa gestão ajudar de forma equânime a todos os setores da Instituição, incluindo os novos e antigos espaços. A Grande Área de Mecânica está recebendo merecidamente este investimento. Nossa maior alegria é poder oferecer aos professores e alunos condições condignas de trabalho e de estudo”, concluiu o Reitor.

*por Filipe Donner – Diretor Geral de Comunicação e Marketing do IFPB

Registrado em: Ensino IFPB João Pessoa Mecânica
Assunto: Campi