Serviços   O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
  • Você está aqui:
  • Início
  • Notícias
  • Primeiro contrato do Programa Jovem Aprendiz é assinado no IFPB

Notícia

Primeiro contrato do Programa Jovem Aprendiz é assinado no IFPB

Bolsas, Estágios, Empregos

Campus Pedras de Fogo foi o pioneiro com contrato de aluna de Informática

Por Glauciene Santana
Publicado: Aug. 19, 2020, 2:43 p.m.
Última modificação: Aug. 19, 2020, 2:43 p.m.

O Instituto Federal da Paraíba está realizando o cadastramento de todos os cursos técnicos de nível médio junto ao Ministério da Economia para o desenvolvimento do Programa Jovem Aprendiz junto aos discentes com idade entre 14 e 24 anos. Esse trabalho vem sendo desenvolvido pela Coordenação de Estágio e Relações Empresariais da Pró-Reitoria de Ensino em parceria com os campi.

A coordenadora de Estágio, Glauciene Santana, comemora que o primeiro contrato do programa Jovem Aprendiz foi assinado por uma estudante do Campus Pedras de Fogo. A aluna Raquel Borges de Pontes, que cursa o Técnico em Informática, foi contratada pela Empresa Tubo Tec Nordeste Ind. e Com. de Artefatos de Papelão LTDA.

Todo o trâmite foi acompanhado de perto pelo diretor geral do campus avançado, Frederico Campos. A estudante vai ocupar a função de Técnico de apoio ao usuário de Informática. O programa do Governo Federal foi criado no ano de 2000, a partir da Lei da Aprendizagem (Lei 10.097), com o objetivo de capacitar profissionalmente jovens e inclui-los no mercado de trabalho.

“Encontrar a primeira oportunidade de emprego é desafiador quando entende-se que que há um processo de amadurecimento e desenvolvimento desse jovem que estuda um dos turnos, mas passa a assimilar uma profissão no contra turno lhe auferindo uma renda e a oportunidade de se familiarizar com o ambiente empresarial. Ele vai emergir em uma fase que possibilite o seu crescimento e que o estimule a continuar os estudos, além de garantir direitos trabalhistas e previdenciários”, ressalta o diretor Frederico.

Segundo a coordenadora, para a realização dos trâmites junto ao Ministério da Economia, é importante que exista uma integração entre os profissionais do IFPB da Reitoria e dos campi, discentes e empresas contratantes, a fim de oportunizar o estudante com a inserção no mercado de trabalho. Glauciene destaca o empenho do campus Pedras de Fogo na construção dessa oportunidade.

 Para o diretor do campus Pedras de Fogo, a inclusão dos alunos é uma forma de buscar integrar a comunidade acadêmica com a comunidade externa, aproximando o futuro técnico ao seu primeiro emprego. Segundo os gestores, o mercado de trabalho é a parte final de um sistema coletivo onde todo o IFPB foi mobilizado desde o pessoal de apoio passando pelos professores e pela gestão em todos os níveis.

Edição: Ana Carolina Abiahy – jornalista da DGCom